Canarinho Mania: a história por trás do mascote 'pistola' da seleção
21/06/2018 20:03 em Esporte

O Canarinho ‘Pistola’, como é popularmente conhecido o mascote da seleção brasileira, é um sucesso nas redes sociais. Se tornou um fenômeno e conquistou uma parcela considerável dos brasileiros — até aqueles que não gostam de futebol, mas não resistem ao charme carrancudo do personagem.

 

A reportagem do R7 investigou o motivo do sucesso estrondoso do bravo animal que, em menos de dois anos de vida, ganhou o Brasil.

 

Idealizado ao fim de 2016, ele surgiu em outubro daquele ano, em meio à arrancada de Tite — que assumiu a seleção quatro meses antes, em junho. Com quatro vitórias seguidas, o treinador gaúcho levou o Brasil do sexto lugar das eliminatórias sul-americanas (posição que não renderia vaga à Copa) ao primeiro lugar da tabela.

 

Curiosamente, a chegada à ponta da classificação ocorreu menos de uma semana após a ‘apresentação oficial’ do Canarinho ao público. Sua primeira aparição foi no site oficial da CBF, no início de outubro, apresentado de forma enigmática: uma série de fotos, sem explicação, apenas com o título “Canarinho: o mascote da Seleção Brasileira”.

 

Todos querem o ‘pistola’

Gilberto Ratto, diretor de marketing da CBF, conta ao R7 que o perfil do mascote foi detalhadamente pensado para conquistar o sucesso que atingiu.

 

“Nosso foco era falar com todas as idades, mas dar ênfase no público jovem. Então fizemos uma pesquisa de costume dos jovens atuais”, diz ele, explicando a metodologia para criar o personagem.

 

“Reparamos que, para essa [nova] geração, não podia ser um mascote bonzinho e bobinho. Tinha que ser um que combinasse”, diz Ratto. “Aí desenvolvemos esta personalidade e até um jeito de andar para ele.”

Fonte: r7.com.br

 

COMENTÁRIOS